Tecnologia /

online-shopping-ge7d0402e5_1920-002-1200x901.jpg

Os principais varejistas virtuais no País receberam um total 1,72 bilhão de acessos no mês de dezembro. O número ficou próximo da média mensal de 2021, de 1,75 bilhão de acessos. Em relação ao mês anterior, período da Black Friday, dezembro teve uma baixa de 14,76% na audiência do e-commerce no Brasil. Os dados são do Relatório Setores do E-commerce, da Conversion, agência de Search Engine Optimization (SEO).

De acordo com análise da Conversion, mesmo com o investimento e a demanda em queda em dezembro, algumas empresas cresceram, enquanto outras acompanharam a tendência de queda.

O site de compras de viagens Booking ganhou oito posições, assumindo a nona posição no ranking nacional do e-commerce em número de acessos. Ele é o único do setor de Turismo na lista.

Além do Booking – dentro do Top 10 de acessos – apenas a Shopee aumentou a visualização de seu site no mês. O Extra, por sua vez, saiu do grupo dos dez maiores sites e perdeu dez posições no ranking. Observou-se, ainda, que Amazon e a Shopee, ganharam, cada uma, uma posição.

De acordo com o estudo da Conversion , a lista dos dez maiores sites de comércio eletrônico em número de acessos tem em primeiro lugar o Mercado Livre, com Americanas na segunda posição e Amazon Brasil na terceira. Eles são seguidos por Magazine Luiza, Shopee, Casas Bahia, AliExpress, Netshoes (que também pertence ao Magazine Luiza), Booking e Samsung.

O relatório mostra que, em média, cada brasileiro acessou sites de e-commerce no mês cerca de oito vezes. Cada acesso, por sua vez, pode ter a visualização de muitas páginas.

O canal preferido para chegar às lojas é o “direto” (quando se digita o endereço da loja): ele representa 44% dos acessos. A busca orgânica (quando o cliente procura pelos produtos no Google), ficou com 26,6%. Já a busca paga (quando os clientes acessam os anúncios do site de busca) representou 19,4%. O tráfego de redes sociais representa apenas 3,1%. Com informações do Estadão. Crédito da imagem: Pixabay


lalamove.jpg

A Lalamove , empresa que chegou no Brasil em 2019 para atender necessidades de logística para pessoas e empresas, registrou crescimento de 370% no primeiro semestre de 2021 na comparação com o mesmo período do ano passado, em  relação aos pedidos de entregas realizados em sua plataforma, que conecta mais de 7 milhões de clientes a um grupo de mais de 700 mil motoristas parceiros em carretos, utilitários, SUVs, minivans e motos

O foco de atendimento da empresa são as PMEs, com clientes de grande nome no mercado como Swift e Petz, a Lalamove conta com seu diferencial de atendimento pautado em diversos veículos para atender demandas variadas. Hoje, a plataforma conta com 100 mil usuários e mais de 300 mil motoristas, responsáveis por um volume de mais de 500 mil entregas diárias, explica afirma Albert Go, Diretor Regional LATAM da Lalamove.

A empresa investe em sua expansão pelo país, e já iniciou as suas operações em diversas regiões do nordeste, centro-oeste, sul e sudeste. Atualmente conta com atendimento nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Belém, Salvador, Recife, Fortaleza, Aracaju, Goiânia e Brasília, com planos de ampliação para outras cidades.

“O impacto da pandemia no comércio e na logística foi significativo, atualmente os consumidores estão optando cada vez mais pela compra em marketplaces a fim de usufruir do conforto de receber suas compras em casa. Com isso, o setor de logística deve permanecer aquecido e em constante desenvolvimento, nesse sentido, temos boas previsões de crescimento para este ano”, finaliza o executivo. Crédito da imagem: Lalamove/divulgação

 


truck-2138974_960_720.jpg

Desenvolver a gestão integrada de vistorias, sinistros e seguros em tempo real durante a coleta, transporte e embarque de cargas, até a entrega ao consumidor final.  Esse é um dos grandes desafios dos profissionais que atuam nos setores da logística e transporte de cargas, explica André Pereira, cofundador da VISORI, startup que acaba de chegar ao mercado para atender a essas necessidades, com solução inovadora e pioneira voltada para embarcadores, indústrias e transportadoras.

Segundo André Pereira, a tecnologia VISORI auxilia na identificação perdas operacionais durante o transporte, pois, com o registro das imagens pelo aplicativo, é capaz de apontar o local e horários exatos das avarias e danos, além de transmitir as informações para os gestores da operação em tempo real. “Hoje, para ter as informações de perdas operacionais ou avarias, a empresa tem que esperar mais ou menos 20 dias, após o retorno do CT-e de cada transporte para entender as especificidades de cada sinistro”, sendo que a nossa tecnologia permite acesso às informações em tempo real”.

Avarias X processos logísticos  

Todos os tipos de avarias ou não conformidades podem ser identificados durante o processo logístico, desde o recebimento de mercadorias, consolidação em centros de distribuição e distribuição do last mile. No geral, essas características da tecnologia podem gerar a redução de custos com seguros, pois, aponta com precisão o tipo de ocorrência, fatores que podem diminuir drasticamente índices de fraudes e sinistralidade.

Com o acesso a um módulo de gestão web com dashboard dinâmico, embarcadores, indústrias e transportadoras poderão visualizar em tempo real o status da operação, assim como os tipos de avarias, regiões do país que mais ocorrem roubos e acidentes, segregadas por localidade, desempenho das entregas das transportadoras, severidade e tipos de ocorrências, qualidade do transporte, apólices e mais outros diversos critérios.

O consumidor final também pode utilizar o aplicativo VISORI para registrar o estado de recebimento da sua encomenda, função muito estratégica especificamente para o e-commerce.

O executivo destaca que a tecnologia voltada para a gestão da qualidade da qualidade de seguros, sinistros e avarias para o transporte de cargas, também pode ser acoplada ao TMS (Transport Management System) de cada transportadora ou embarcador, além de sistemas de faturamento e comercial.  Imagem: Pixabay


IMG_20200217_175455252-1200x675.jpg

Função last mile integrada à governança de fretes para todos os segmentos da logística 

Monitorar o desempenho das operações de transporte desde o Centro de Distribuição até o local de entrega da mercadoria (última milha), requer a inserção de diversos processos e combinação de parâmetros tecnológicos para um determinado modelo de negócio. Diante desse cenário, a Simulefrete, plataforma voltada para a governança das operações de transporte, disponibiliza a função “last mile” que já faz parte do seu core business, ou seja, está pronta e completa para todos os segmentos da logística brasileira, quando a necessidade é a entrega e validação das mercadorias, seja no distribuidor ou no cliente final.   

Hoje, no mercado como um todo, a função last mile é introduzida em uma determinada plataforma para atender uma demanda específica de uma marca. Segundo o cofundador da Simulefrete, Sergio Sanchez, essa função last mile já faz parte do modelo padrão da plataforma e está integrada à gestão/governança do modelo de transporte. “O nosso módulo last mile já é completo e não precisa de desenvolvimento e customizações, pois, traz em seu DNA tecnologia avançada que facilita também o entendimento do usuário com base nas necessidades atuais da logística brasileira”, destaca ele.  

Como funciona? 

O transportador fornece as tabelas de preços para os seus embarcadores separadas por regiões/zonas de CEP e posteriormente é feita a validação e checagem dos valores de frete. Na sequência ocorre a parametrização das entregas por tipos de frete e região. 

A plataforma permite o acompanhamento em tempo real durante o processo de distribuição, controle da quantidade do material que está em processo de entrega, valores das mercadorias, entregas realizadas e em andamento. Por fim, ocorre a confirmação das entregas realizadas no ponto para a comercialização ou até mesmo no consumidor final. 

A funcionalidade permite a visão completa do frete desde o mais simples até o mais complexo. O transportador informa o embarcador todas as notas/entregas realizadas. A plataforma ainda oferece possibilidades de integração com os aplicativos das transportadoras para carga fracionada e lotação. 

Governança do frete 

Além de oferecer de forma inédita a função pronta para o last mile, a Simulefrete também inovou o mercado de logística quando disponibilizou a possibilidade na prática para o compartilhamento de cargas entre embarcadores. 

Além destes diferenciais, oferece governança e gestão de fretes e possibilita o acesso ao panorama geral de todas as entregas, desempenho, faturamento e conciliação financeira em tempo real. Na prática, oferece desde a escolha do transportador, tipo de modal para cada operação ou mercadoria e acompanhamento do pedido em tempo real, até a entrega, status de toda a operação, se as entregas estão dentro do prazo, avaliação de desempenho do transportador, sem a necessidade de esperar finalizar o mês. Saiba mais no site www.simulefrete.com

 


smartphone-3d-com-caixas-de-papelao-conceito-de-transporte-de-entrega_58466-370.jpg

Criação do Documento Eletrônico de Transporte aumenta compliance e dinamiza negócios 

Apesar de reconhecer a necessidade de alguns ajustes no texto, a aprovação, pela Câmara dos Deputados, da Medida Provisória 1051/21, que cria o Documento Eletrônico de Transporte (DT-e), está sendo bem recebida pelo setor logístico e por empresas ligadas ao comércio de veículos de carga. Isso porque a digitalização trazida pelo novo sistema para a autorização dos serviços de transportes de carga deve reduzir custos, aumentar as margens de lucro dos transportadores e, consequentemente, contribuir para a renovação da frota.

Na prática, o DT-e reunirá, em um único documento, todos os dados, obrigações administrativas, informações sobre licenças, registros, condições contratuais, sanitárias, de segurança, ambientais, comerciais e de pagamento, inclusive valor do frete e dos seguros contratados. No modelo atual, as empresas e os motoristas autônomos têm de juntar uma quantidade considerável de documentos, o que exige tempo, paciência e gera mais gastos.

Benefícios DT-e

“Em breve o setor estará mais dinâmico, com mais contratos sendo fechados e mais dinheiro em circulação, o que movimentará a cadeia. A consequência disso no médio e longo prazos é o aumento da procura por veículos de carga. Claro que isso não acontece do dia para a noite. É um processo que exige algum tempo para ser notado”, afirma Hovani Argeri, diretor geral de Operação da Via Trucks, concessionária DAF, com unidades em Minas Gerais e São Paulo.

Ele aponta ainda outros benefícios do DT-e, como a possibilidade de o motorista autônomo contratar pessoas jurídicas para administrar seus direitos relativos ao frete, podendo ser, inclusive, associações ou sindicatos da categoria. “São pontos que tornam os contratos mais seguros. E segurança é um item importante para bancos e financeiras quando falamos em política de juros mais baixos para um caminhoneiro que necessite de crédito para trocar seu veículo”, avalia Argeri.

A questão da segurança é apontada como uma vantagem também por Alexandre Pegoraro, CEO da Kronoos, plataforma de compliance que realiza pesquisas em mais de 2.500 fontes para conferir a idoneidade de pessoas e empresas. “Com o sistema digitalizado as empresas contratantes de fretes terão maior agilidade para constatar a idoneidade dos prestadores de serviço, assim como as instituições financeiras também terão condições mais eficientes de aplicar suas políticas para concessão de crédito. A evolução dos sistemas que permitem aumentar o compliance tem se mostrado benéficas em todos os setores e não será diferente no transporte de cargas”, diz . Crédito da imagem: Freepik


Caminhao-Coopercarga-003.jpg

O estudo Digital Transformation Investment 2020 aponta que 75% dos entrevistados planejam investir em tecnologias inovadoras para os seus negócios. O levantamento confirma também que muitas empresas estão usando a crise global para redirecionar recursos para a inovação tecnológica. Como a maioria das companhias está se adaptando à recuperação econômica e não descartando permanentemente as iniciativas de transformação digital, há motivos para acreditar que, aquelas com uma mentalidade progressiva em relação ao investimento em tecnologia, estarão melhores equipadas não apenas para a retomada, mas também para o crescimento sustentável do negócio.

É com essa mentalidade que a Coopercarga, operador logístico de transporte rodoviário, presente no mercado há mais de 30 anos e líder no segmento, percebeu que precisava de uma solução que otimizasse seus processos e trouxesse os motoristas de caminhão para a digitalização, criando uma sinergia entre todos os envolvidos. A empresa adotou, então, a tecnologia da CargOn, logtech que atua como operador logístico digital no gerenciamento do transporte de indústrias e transportadoras, para solucionar o problema. Com isso, passou a ter toda a documentação das cargas transportadas digitalizadas e também acompanha, online e em tempo real, todo o trajeto feito pelos caminhoneiros nas viagens.

“Com a transformação digital proporcionada pela CargOn, conseguimos diminuir o uso do papel em 80%, ter uma visão mais proativa dos nossos recursos e também passamos a dar uma resposta mais ágil ao nosso cliente. Outro bom exemplo é que com a digitalização dos comprovantes de entrega, diminuímos em até 75% o prazo médio de faturamento”, afirma Osni Roman, CEO da Coopercarga. “Hoje, vendemos muito mais que transporte, vendemos informação em tempo real”, completa o executivo.

De janeiro a maio de 2021, a Coopercarga transportou 8560 cargas, especialmente nos Estados de Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Pernambuco, Espírito Santo, São Paulo, Paraná e Rio de Janeiro, num total de quase R$ 54 milhões em cargas e mais de R$ 37 milhões pagos em fretes. “Saber que temos uma tecnologia por trás de todo esse processo, além da agilidade e otimização dos recursos, dá tranquilidade. É um caminho sem volta”, diz Roman. Crédito da imagem: Divulgação


truck-2138974_960_720.webp

Desenvolver a gestão integrada de vistorias, sinistros e seguros em tempo real durante a coleta, transporte e embarque de cargas, até a entrega ao consumidor final.  Esse é um dos grandes desafios dos profissionais que atuam nos setores da logística e transporte de cargas, explica André Pereira, cofundador da VISORI, startup que acaba de chegar ao mercado para atender a essas necessidades, com solução inovadora e pioneira voltada para embarcadores, indústrias e transportadoras.

Segundo André Pereira, a tecnologia VISORI auxilia na identificação perdas operacionais durante o transporte, pois, com o registro das imagens pelo aplicativo, é capaz de apontar o local e horários exatos das avarias e danos, além de transmitir as informações para os gestores da operação em tempo real. “Hoje, para ter as informações de perdas operacionais ou avarias, a empresa tem que esperar mais ou menos 20 dias, após o retorno do CT-e de cada transporte para entender as especificidades de cada sinistro”, sendo que a nossa tecnologia permite acesso às informações em tempo real”.

Avarias X processos logísticos  

Todos os tipos de avarias ou não conformidades podem ser identificados durante o processo logístico, desde o recebimento de mercadorias, consolidação em centros de distribuição e distribuição do last mile. No geral, essas características da tecnologia podem gerar a redução de custos com seguros, pois, aponta com precisão o tipo de ocorrência, fatores que podem diminuir drasticamente índices de fraudes e sinistralidade.

Com o acesso a um módulo de gestão web com dashboard dinâmico, embarcadores, indústrias e transportadoras poderão visualizar em tempo real o status da operação, assim como os tipos de avarias, regiões do país que mais ocorrem roubos e acidentes, segregadas por localidade, desempenho das entregas das transportadoras, severidade e tipos de ocorrências, qualidade do transporte, apólices e mais outros diversos critérios.

O consumidor final também pode utilizar o aplicativo VISORI para registrar o estado de recebimento da sua encomenda, função muito estratégica especificamente para o e-commerce.

O executivo destaca que a tecnologia voltada para a gestão da qualidade da qualidade de seguros, sinistros e avarias para o transporte de cargas, também pode ser acoplada ao TMS (Transport Management System) de cada transportadora ou embarcador, além de sistemas de faturamento e comercial.

A VISORI faz parte do Grupo META2,  com expertise no desenvolvimento de tecnologias e soluções inovadoras para os setores de transporte de cargas, logística, seguros e financeiro, mantido pelos fundadores da AT&M Tecnologia, empresa com quase 30 anos de história, líder no processo de averbação de seguros de transportes de cargas. Saiba mais em www.visori.com.br. Crédito da imagem: Pixabay


image001-1200x1199.jpg

Cada vez mais, o conceito da logística 4.0 evidencia a importância da automatização dos processos, digitalização das atividades e a agilidade no compartilhamento de informações para manter a competitividade nas operações logísticas. Por exemplo, os canais farma, hospitalar, cosmético e saúde necessitam de alta performance em suas operações de logística para manter a segurança e qualidade dos seus produtos.

Após a aplicação de um conjunto de tecnologias, capacitação de funcionários e digitalização de processos, a Ativa Logística, um dos maiores integradores logísticos dos setores de saúde e beleza, realizou a implementação de um setor específico para o gerenciamento da sua Torre de Controle.

O Diretor Nacional de Operações, Marcelo Azevedo, explica que a Torre de Controle Ativa faz a integração de todas as tecnologias implementadas pela empresa nos últimos anos, centraliza todos os dados das operações das filiais em tempo real e permite a interpretação rápida dos indicadores gerados pela operação para uma possível tomada de decisão de forma ágil e até preventiva. “Com isso, conquistamos um forte diferencial competitivo para atingir os níveis de excelência nas operações logísticas que são exigidos pelas companhias dos segmentos de saúde e beleza”, enfatiza ele.

 Funções da Torre de Controle Ativa

A Torre de Controle Ativa, utiliza mais de 25 dashboards (painéis de controle) que permitem o monitoramento de dezenas de parâmetros, que contribuem para exceder o nível de performance exigido no mercado. Alguns exemplos: prazo de entregas, agendamentos, desempenho dos motoristas, status das entregas em tempo real, ocupações de cargas da frota, jornada de trabalho da equipe, conduta dos motoristas, gestão para manutenção dos pneus, perfil da operação de cada viagem, controle das operações de transferência e coleta, telemetria da conduta do motorista ao volante, capacidade de abastecimento das filiais, emissão e entrega de notas das mercadorias, horário de chegada e saída dos veículos de transferência, status da capacitação dos motoristas, histórico do ciclo da carga até a entrega e sua localização.

 Azevedo explica que a Torre de Controle da Ativa Logística permite o gerenciamento das operações de mais de 1 mil clientes em suas 18 unidades espalhadas pelo País, que movimentam cerca de 50 mil toneladas de produtos de saúde e beleza por mês, que totalizaram 300 mil toneladas movimentadas no primeiro semestre. “Devido ao tamanho da operação, hoje, a Torre de Controle Ativa tem função essencial para proporcionar visibilidade mais detalhada do monitoramento das coletas e entregas de mercadorias em tempo real e trouxe uniformidade de planejamento para todas as filiais, além de proporcionar para nossos colaboradores e clientes, um modelo de integração que permite ajustes na operação para evitar possíveis entraves operacionais”.

Com 25 anos de história, a Ativa Logística é um dos maiores integradores logísticos de saúde e beleza no Brasil, atende integralmente a todas as normas e resoluções da Anvisa para a armazenagem e o transporte de medicamentos, inclusive as constantes na portaria nº 344/98.


movers_12-1200x761.jpg

Desenvolvido pelo TruckPad , maior plataforma da América Latina de conexão entre cargas e caminhoneiros autônomos, o TruckPad Pay oferece uma grande vantagem para as transportadoras: tempo para programar o pagamento do frete. Com esse serviço, a empresa não precisa desembolsar o valor de uma única vez porque o TruckPad cobra à medida que o motorista vai utilizando o saldo de sua carteira.

“O mote do TruckPad Pay é que nós damos um fôlego financeiro para a pequena e média transportadora em seu negócio, fazendo o pagamento à vista dos caminhoneiros contratados por estas empresas e dando um prazo para que as transportadoras nos paguem de volta via TruckPad Pay”, explica afirma Carlos Mira, CEO e Fundador do TruckPad.

Para as transportadoras, ainda há a facilidade de não precisar emitir e entregar o cartão físico, já carregado, a cada frete contratado. Para Mira, este é um investimento em tecnologia que ajuda as transportadoras a se fortalecerem nesse momento de tantos desafios impostos pela pandemia e pela necessidade de inovação para vencer a concorrência no segmento. Crédito da imagem: Truck Pad.

 





Atendemos em todo o Brasil

Atendimento de 2º a 6º das 8:30h às 17:30h. Somente não atendemos em feriados nacionais.
Rua Ernesto de Paula Santos, 187 Sala 806
Edifício Empresarial Excelsior
CEP: 51021-330 Boa Viagem, Recife - PE


Copyight 2020. Todos os direitos reservados

O uso do site Transporte Seguro (MRR & PVA Corretora de Seguros) CNPJ: 35.271.182/0001-10 é sujeito às regras descritas no termo de uso e na política de privacidade. A MRR & PVA Corretora de Seguros atua em estrita observância à legislação securitária. Registro SUSEP n.º 202009765.